O ANIMAL AGONIZANTE

Philip Roth

  

philip_roth_-_animal_agonizante.jpg

 (Este texto contém dados importantes da trama)  

Philip Roth é o escritor americano que mais tem chance de ser laureado com o Nobel de Literatura. Sua escrita é de suma importância, apesar de que muitos o considerem um realista exagerado

 

Este “Animal Agonizante” é um livro curto, porém, representativo do estilo de Philip Roth. A principio, qualquer um que não conheça a obra deste escritor imaginará que se trata de uma história banal, lendo apenas umas trinta páginas. Mas, o que prejudica Roth, é que sua narrativa (desta vez, um monólogo) parte do presente para fatos passados, e dali para outros fatos, por vezes, em um passado mais distante ainda, fazendo com que o leitor tenha que prestar muita atenção nos desdobramentos e razões deles.

 

O personagem David Kepesh é o mesmo de “O Seio” e “Professor de Desejo”. Talvez por isso não fique tão estranho ele ser bem extremado na relação sexual. Em seu monólogo ele faz a defesa da vida sem casamento, apoiado por um amigo poeta que acaba morrendo e chocando David. O fato é que David, professor de literatura e crítico de arte para a TV, mesmo na faixa dos sessenta anos, ainda leva alunas e amigas para a cama, descompromissadamente. Quando conhece Consuela, uma descendente de Cubanos, jovem, linda, perfeita, ele passa a lutar consigo mesmo, contra o amor, a paixão que o domina. Como tentativa de se desvencilhar, ele acaba ignorando Consuela após algum tempo de relação efervescente. E durante oito anos, ele agofa seus sentimentos, sainda com garotas, trabalhando e tocando piano. Tudo que ele não quer é cruzar com Consuela e, com isso, ver-se desarmado perante a grandeza feminina daquela jovem que para ele é seu contrário. Pois se ele está cada vez mais próximo da morte, ela só está começando a viver. E dar o braço a torcer, assumindo uma união com Consuela, porá por terra, todos os conceitos sobre os quais David, fundamentou sua vida, depois de um casamento fracassado, donde resultou um filho que diz que o odeia. Um desses conceitos diz respeito ao sexo e à diferença entre a perfeição do corpo de Consuela e a decadência do corpo de Kepesh. E é então que ao final de oito anos sem contato, Kepesh recebe a visita de Consuela. Esta por sua vez, parece cumprir com alguma determinação divina, incontrolável. O câncer de mama a está consumindo, e a morte próxima é para ela uma possibilidade. Nesta configuração, muda tudo para David, que terá de se decidir, depedir-se de sua identidade de individualista, de homem imune às paixões e suas consequências, ou perde a oportunidade de viver seus últimos dias compartilhando e auxiliando no sofrimento de sua amada. Neste ponto, é que ele se dá conta, de que o amor independe do sexo, e se dá conta também de que era exatamente por esse momento, por essa oportunidade, que ele estava esperando, todo esse tempo. Resta decidir.

Anúncios